Garota desaparecida há mais de um mês é encontrada morta em canavial

Pirassununga, 15 de julho de 2017 – Chegou ao fim o caso que mobilizou Pirassununga e região nos últimos dias. Na noite desta sexta-feira (14), a Polícia Militar encontrou o corpo da jovem Flávia Ribeiro Rodrigues, de 23 anos, desaparecida desde o dia 1º de junho. Ela foi encontrada sem vida em uma propriedade rural situada às margens da rodovia Prefeito Euberto Nemésio Pereira de Godoy, a SP-201, estrada que liga ao Distrito de Cachoeira de Emas (local de difícil acesso). O caso foi classificado como homicídio simples e deve ser investigado pela Polícia Civil.

O desaparecimento de Flávia causou comoção principalmente nas redes sociais e ganhou repercussão na imprensa nacional. A jovem estava desaparecida há um mês e 14 dias. Segundo os próprios familiares, ela sumiu por volta das 19 horas do dia 1º de junho, uma quinta-feira, nas proximidades de sua casa no Parque Clayton Malaman – Zona Norte da cidade.

Primeiramente foi registrado o boletim de ocorrência de desaparecimento de pessoa na Delegacia e a Polícia Civil abriu inquérito para apurar as causas de seu desaparecimento. Familiares publicaram um apelo nas redes sociais que obteve milhões de visualizações e milhares de compartilhamentos.

As informações na época davam conta de que a jovem saiu de casa sem o seu telefone celular. Imagens de circuitos de monitoramento de residências vizinhas conseguiram captar o momento em que ela entrava em um veículo. Depois disso ela nunca mais foi vista por amigos e familiares.

Houve empenho da Polícia Militar e Polícia Civil na investigação e localização de Flávia. No início de junho, inclusive, houve até uma operação com auxílio de homens do Exército de Pirassununga (13º RC Mec) em uma região de mata, mas sem sucesso.

Na noite de ontem, porém, por volta das 22h20, as polícias Militar e Civil foram acionadas até a propriedade conhecida como Sítio Figueira Branca. Estiveram presentes os PMs Cabos Mancin e Mattos e posteriormente o investigador Thiago a fim de obterem maiores dados sobre um cadáver encontrado naquele local.

A Polícia Militar relatou que três pessoas realizavam o corte de cana-de-açúcar quando teriam avistado um corpo entre uma cerca e o carreador de cana, não sabendo num primeiro momento afirmar se era algum animal ou se realmente tratava-se de uma pessoa. Posteriormente as testemunhas constataram que era o corpo de uma pessoa e acionaram a Polícia Militar.

O investigador Thiago acionou a equipe do Instituto de Criminalística de Limeira que realizou a perícia do local do crime. Segundo o boletim de ocorrências, o corpo já estava em estado avançado de decomposição, entretanto, foi possível relacioná-lo como sendo da vítima Flávia Ribeiro Rodrigues, sobretudo porque possuía algumas tatuagens dentre as quais, uma que fazia referência ao nome de sua mãe na sua coxa direita. Foi visto que se tratava da mesma tatuagem que foi postada pela vítima em sua página da rede social Facebook.

O corpo da vítima foi recolhido pela funerária de plantão e encaminhado ao Instituto Médico Legal – IML de Limeira para exame de necrópsia. O caso foio apresentado no Plantão Policial somente por volta das 3h20 da madrugada deste sábado (15). Agora se inicia o trabalho da Polícia Civil para apurar quem teria cometido o crime brutal contra a jovem – o segundo homicídio de Pirassununga neste ano de 2017.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *